Exposição LER:VER:LER

O NUFOC, Grupo de Pesquisa de Arte Contemporânea da Unifap, inaugurou no dia 7 de novembro de 2012, no Museu Fortaleza de São José de Macapá, a exposição LER:VER:LER, com a performance ‘Palavras ao mundo’, que contou com a participação de alunos da Escola Pública Estadual Izanete Victor dos Santos, do município de Santana.
A ideia desta exposição surgiu a partir de  conversas informais sobre arte contemporânea realizadas no Núcleo de Fotografia Contemporânea – NUFOC, na Unifap.  Tornou-se lugar comum dizer que a sociedade contemporânea é povoada de imagens, mesmo que ainda estejamos num estágio de analfabetismo visual. E quando a imagem vem contaminada com o texto?
Não é de hoje a reafirmação da superioridade do texto em relação à imagem. Porém, neste espaço, buscamos trazer o texto de forma mais livre, seja pela plasticidade da palavra, seja pela sonoridade, ou mesmo pelos seus inúmeros significados, intrínsecos ou não.
Os trabalhos apresentados aqui sugerem uma relação ampliada entre escrita e visualidade. Desde as frases espalhadas pela cidade, em lambe-lambes simbolicamente precários, até à dificuldade de comunicação entre pessoas que se cruzam todos os dias pelas ruas, como é o caso do site-specific  ‘Eu e você: nosso (des)encontro eterno’.
Vagamos pela leveza, a delicadeza da escrita da memória nas camisetas-uniforme que vivenciaram todo o processo de mediação entre as obras e o público. Ou o velho pano de chão que já removeu tudo o que era desnecessário ou indesejado do ambiente por ele habitado.
O público também está convidado a participar da exposição em vários trabalhos como o texto aberto à intervenções, que só será finalizado no último dia da exposição e publicado nas redes sociais. Na abertura, teremos a performance em que o público será convidado a soltar mensagens ao vento no trabalho ‘Palavras ao mundo’. E, por fim, a performance ‘Cartas a ninguém’, em que o artista ficará a disposição do espectador para intermediar o processo da escrita.
O que importa aqui não é o resultado, mas sim o processo de experimentação e investigação. A relação entre o fazer artístico e o pensar e pesquisar a arte. Buscamos este artista sem limites e amarrações, que transita entre todos os campos, se reinventando e interagindo com as diversas possibilidades que surgem, próprio da contemporaneidade.
 
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s